Técnica promete aumentar e levantar seios sem silicone Umuarama, Paraná

Mastopexia Minimamente Invasiva, ou simplesmente MIM, é uma nova técnica que promete sustentar os seios de forma definitiva. Com uma espécie de sutiã que molda os seios e é implatado sob a pele, e de maneira mais segura e menos invasiva.Leia mais abaixo.

Jaqueline N dos Santos de Azeredo Jardim
(44) 3225-1455
Av. Dom Manoel da Silveira D'Elboux 1167
Maringa, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Milton Keita Maeda
(43) 3324-1114
Av. Bandeirantes 1132
Londrina, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
German Ernesto Jimenez Carrillo
225-2313
Rua Antonio Alves Massaneiro 247
Cascavel, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Ody Silveira Junior
(43) 3342-3040
Julio Estrela Moreira 294
Londrina, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Renato da Silva Freitas
(41) 3335-7474
R. Solimões 1154 Merces
Curitiba, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Mauro Akio Tanaka
(43) 3326-1949
Bandeirantes 981
Londrina, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Paulo Sergio Padovez
(44) 3224-9000
Av. Curitiba 386
Maringa, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Carlos Augusto Villegas Chirinos
(41) 3335-1216
Rua Jacarezinho 394 (Ao lado da Torre da Oi)
Curitiba, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Marcelo Takeshi Ono
(43) 3028-7737
Rua Ibipora 773
Londrina, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Patricia Ritter
33294383
Av Bandeirantes 403
Londrina, Paraná
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Técnica promete aumentar e levantar seios sem silicone

Mastopexia Minimamente Invasiva, ou simplesmente MIM, é uma nova técnica que promete sustentar os seios de forma definitiva, com uma espécie de sutiã que molda os seios e é implatado sob a pele, e de maneira mais segura e menos invasiva - com a ajuda do dispositivo Cup&Up. Em entrevista, o cirurgião plástico Eyal Gur conta tudo sobre o método que desenvolveu.

A novidade é para os seios e vem do Oriente Médio, mais precisamente de Israel. O chefe do setor de microcirurgia Eyal Gur, do hospital Ichilov, em Tel Aviv, Israel, desenvolveu o método, que tem o mesmo papel de um lifting nas mamas: levantar, remodelar e firmar.

O que é essa cirurgia?
A base da técnica é um dispositivo batizado de Cup&Up, uma espécie de sutiã feito tela de silicone pré-moldado em diferentes tamanhos que é colocado sob a pele com o papel de sustentar e modelar os seios.

O implante é feito através de duas pequenas incisões e, depois da tela ser posicionada, ela é fixada nas costelas com parafusos de titânio. A técnica é indicada para mulheres que apresentam mamas caídas e flácidas e é uma boa opção para quem teme as cicatrizes maiores e mais aparentes da mastopexia tradicional.

Qual é o grande diferencial?
Quando a mama apresenta ptose (queda), quer dizer que a pele da região cedeu, ou seja, há uma lesão irreversível. Atualmente, a única solução para este caso é o lifting mamário, cirurgia que retira o excesso de tecido e reposiciona o material interno, deixando os seios em pé e firmes novamente. Mas essa técnica implica em cicatrizes com tamanho proporcionais à quantidade de tecido removido, que geralmente é grande.

E é justamente essa marca deixada pela cirurgia um dos maiores tabus entre as mulheres. Outro ponto levantado pelos pesquisadores é o fato de o lifting não ser um procedimento com resultados definitivos, uma vez que a gravidade continua atuando sobre os seios, que podem voltar a cair.

É aí que entra o MIM, que faz o mesmo papel do lifting de levantar as mamas e acabar com a flacidez, porém, sem a necessidade de retirar o excesso de pele. O resultado é conseguido com o implante do dispositivo Cup&Up que acomoda e sustenta o material interno.

Todo o procedimento é realizado por meio de duas pequenas incisões de aproximadamente 5mm nas laterais, o que deixa cicatrizes praticamente imperceptíveis. O efeito é mais duradouro, pois as alças do sutiã não perdem elasticidade com o tempo, garantindo, assim, a sustentação permanente das mamas. Todos estes pontos diferenciais da técnica apresentados pelos pesquisadores do MIM faz com que eles apostem no procedimento como substituto da mastopexia tradicional.

O futuro ainda não chegou
A novidade ainda está em fase de testes em animais e deve começar a ser aplicada (também em testes, inicialmente) em seres humanos ainda este ano. Este período irá determinar a durabilidade do sutiã e a sua resistência a esforços. A previsão é que a nova tecnologia chegue ao mercado em até dois anos.

Para padronizar e garantir a aprovação do procedimento junto às autoridades sanitárias em todo o mundo, a MIM pretende buscar a colaboração de cirurgiões plásticos de diversos países com Estados Unidos, Suécia e também do Brasil.

Parece, mas não é
Uma técnica de cirurgia mamária já existente no Brasil, chamada de 'sutiã interno', é bem parecida com a Mastopexia Minimamente Invasiva, mas tem lá suas diferenças.

Diferentemente da MIM, esse procedimento atinge a glândula mamária por meio de uma incisão feita ao redor da aréola, por onde a pele é separada da glândula e esta é reduzida ou simplesmente remodelada. Assim que conquistada a nova e desejada forma, é colocada uma fina tela de silicone que atuará como um sutiã que mantém a forma, a firmeza e a sustentação.

A pele em torno da aréola se retrai naturalmente e assume a nova forma naturalmente. As cicatrizes são mínimas e ficam praticamente imperceptíveis devido à cor mais escura dos mamilos. A técnica foi idealizada para atender mulheres com seios caídos e que desejam dar sustentação e firmeza, pois a tela remodela as mamas e as deixa empinadas novamente. A vantagem é que não interfere na amamentação, nos exames complementares e tampouco na sensibilidade.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica