Lojas de chocolate São Paulo, São Paulo

O presente artigo mostra uma breve história do chocolate e como ele é produzido. Segundo registram estudos, a civilização Olmeca foi a primeira a aproveitar o fruto do cacaueiro. Evidências arqueológicas comprovam que pouco depois os Maias, Toltecas, a Aztecas também já utilizavam o cacau, a consideravam-no o alimento dos Deuses.

Paparicos Serviço de Buffet e Restaurante
(11) 3813-3123
r Medeiros de Albuquerque, 338 Jardim Das Bandeiras
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Barnabé Restaurante & Cachaçaria
(11) 2242-2435
prç Comandante Eduardo de Oliveira, 147 Parque Edu Chaves
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Donavilla Restaurante e Pizzaria
(11) 2954-8841
av Cerejeiras, 41 Jardim Japão
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Af Oliveira Restaurante
(11) 5012-5521
av Eng Armando Arruda Pereira, 648 Jabaquara
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Hongané Restaurante
(11) 3758-0502
Morumbi, 6774 Morumbi
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Aldeia da Villa Bar e Restaurante
(11) 2978-5564
uiz Dumont Villares, 628 Jardim São Paulo - Zona Norte
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
La Cazzarola Restaurante e Pizzaria
(11) 5668-7480
av Papini, 159
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Acustico Bar Restaurante Ltda
(11) 3031-5620
r Agissê, 195 Jardim Das Bandeiras
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Restaurante Daisho
(51) 3028-0196
av João Obino, 345, Petropolis
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Badejo Restaurante
(11) 5055-0238
Alameda dos Jurupis, 813 Indianópolis
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Lojas de chocolate

Equipe Portal Orgânico
Chef Renato Caleffi

Segundo registram estudos, a civilização Olmeca foi a primeira a aproveitar o fruto do cacaueiro.

Eles habitavam as terras baixas do Golfo do México. Evidências arqueológicas comprovam que pouco depois os Maias, Toltecas, a Aztecas também já utilizavam o cacau, a consideravam-no o alimento dos Deuses.

Nesta época o cacau era usado como uma bebida, geralmente acrescida de algum condimento. Era ingerida pelos sacerdotes em rituais religiosos.

A bebida fabricada por essas civilizações tinha sabor amargo e era temperada com pimentas e aromatizantes naturais como a canela. Os astecas chamavam o cacaueiro de cacahuaquahuilt e a bebida foi nomeada de xocoatl devido ao barulho que se produzia na fabricação da bebida (xoco=barulho, e gtl=água).

A Espanha foi o primeiro país na Europa onde o chocolate quente tornou-se uma bebida favorita - primeiro nos círculos aristocratas, depois de forma geral.

Durante cerca de 100 anos a Espanha teve o monopólio do comércio de grãos de cacau, graças às plantações de Cortez.

Em 1700 as "Casas de Chocolate" começaram a competir com as "Casas de Café" em Londres. Uma xícara de chocolate quente não era mais um luxo somente para os ricos. A revolução Industrial e a invenção de diversas máquinas tornaram possível a produção em massa, além de tornar os produtos mais baratos, e o mesmo aconteceu com a indústria do chocolate. Em 1828, um fabricante holandês de chocolate, Conrad van Houtten, descobriu um método de extrair a gordura dos grãos de cacau moídos, e transformá-la em manteiga de cacau. Então ele pressionou o líquido até que pedaços duros de cacau permaneciam inteiros. Isso ele moeu e transformou num pó, que se dissolvia facilmente na água quente, criando uma bebida boa, suave e saborosa, que podia ser tomado mais doce com a adição de açúcar.

Encontra-se muitas receitas de bebidas quentes com chocolate. Pode-se expessá-las com amido, com o próprio chocolate derretido em banho maria, com ovo e açúcar (gemada) e com banana verde.

A banana verde espessará a bebida devido ao seu alto teor de amido resistente, que é conhecido por seus benefícios. Isso tornará a bebida mais saudável, sobretudo se for utilizado cacau puro e chocolate com gordura a base de cacau.

Pode se obter a bebida com "leite" de cereais, arroz, arroz com macadâmia.

Para ver a receita de CHOCOLATE QUENTE do nosso Chef
CLIQUE AQUI

Fonte: Chef Renato Caleffi

Clique aqui para ler este artigo na Portal Gastronomia