Como combater a obesidade infanitl São Paulo, São Paulo

A Obesidade infantil é uma verdade de várias causas e muitas conseqüências. Para lidar com ela, é preciso manter-se alerta e contar com a ajuda de profissionais capacitados,mas enste artigo daremos algumas dicas básicas para combatê-la.

Oduvaldo Goes
(11) 3069-7193
R.Dr.Ovídio Piresa de Campos 225 - Vigilância Sanitária
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Claudio Pericles
+55 11 26453092
Av. Eng. Luiz Carlos Berrini 1297/ 61
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Maykyol Avaroma Melgar
(11) 2029-7222
Rua Terenas 161
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Mauro Fisberg
(11) 5575-3875
Rua Borges Lagoa 1080 - 603
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Ivan Fernandes da Silva
(11) 3283-5233
Paulista 509 - Cj. 1107
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Luciana Campos Nascimento
(11) 9114-6454
Rua Dr. Veiga Filho 351 - Cj. 181
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Legal

Dados Divulgados por
Ricardo Manoel de Oliveira
(11) 3065-0800
Av. Brasil 1150
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Terry Rocha de Medeiros
5052-1087
Avenida República do Líbano 2123
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Rita Kaarkoski
36751211
Rua Cardoso de Almeida 1991
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Vanderley Alfredo Madeira da Fonseca
(11) 5542-9244
Jacucaim 104
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Como combater a obesidade infanitl

A Organização Mundial de Saúde declarou a Obesidade Infantil uma "epidemia global": mais de 22 milhões de crianças com idade inferior a 5 anos sofrem com o excesso de peso e mais de 2/3 delas se tornarão adultos obesos. No Brasil, apesar da desnutrição ainda ser uma triste realidade, a Obesidade Infantil praticamente dobrou nos últimos 10 anos: 15% das nossas crianças são obesas.

A explicação para estas infantarias de crianças rechonchudas repousa no desequilíbrio entre o que elas estão comendo e a energia que gastam. Do lado de cá do Equador, a dieta tradicional (arroz, feijão, carne, saladas, legumes e frutas) vem sendo substituída por opções ricas em calorias, porém nem sempre com bom valor nutricional. E para piorar a situação, as porções dos lanches vêm aumentando assustadoramente.

Um bom exemplo é a pipoca do cinema. Lembra-se quando éramos crianças e íamos assistir a mais um fatídico filme dos Trapalhões? O saco de pipoca era pouco maior a palma das nossas mãos - e olha que tínhamos mãos bem pequenas então.

Hoje, ela (a pipoca) é vendida em verdadeiros baldes. No mesmo caminho vão os sanduíches, as porções de batatas fritas e os copos de refrigerantes e milk shakes. Como as crianças de hoje têm o mesmo tamanho daquelas de outrora, o resultado do consumo exagerado de calorias só poderia resultar em uma coisa: Obesidade.

E não se engane pensando que as refeições hipercalóricas são um problema exclusivo das classes mais favorecidas. Os dados estatísticos mostram que a Obesidade Infantil afeta todos os níveis sociais. A explicação novamente é simples de doer: os pais acreditam ser mais barato e fácil comprar e consumir alimentos ricos em calorias (biscoitos, salgadinhos industrializados, doces) que alimentos mais saudáveis (frutas, verduras, legumes, etc).

Além da dieta, outras mudanças no estilo de vida trazidas pela modernidade também estão no centro do problema. O sedentarismo aumentou. As crianças passam mais tempo no videogame do que correndo na rua, jogando bola ou andando de bicicleta. Para você ter uma idéia, cerca de 10% das crianças que passam mais de 1 hora na frente da TV são obesas. A TV preenche o tempo livre e estimula o consumo de alimentos pouco nutritivos, porém ricos em calorias. Para piorar a situação, mais da metade dos comerciais veiculados durante programas infantis fazem propaganda de lanches, refrigerantes, sucos ou outros tipos de alimentos hipercalóricos.

A Obesidade infantil é uma verdade de várias causas e muitas conseqüências. Para lidar com ela, é preciso manter-se alerta e contar com a ajuda de profissionais capacitados, mas algumas dicas são sempre úteis:

ATENÇÃO REDOBRADA NA DIETA. Detalhes fazem toda diferença: ao preparar torradas, prefira pão integral. Frutas com casca e saladas coloridas também são uma boa escolha e devem estar sempre à disposição. O importante é evitar a todo custo que a criança faça pequenos assaltos à geladeira: lanches rápidos com sanduíches e guloseimas podem adicionar facilmente 450-600 calorias inúteis por dia à dieta.

TENHA UM MANTRA. Sabe qual é a coisa mais "engordante" que você pode adicionar a uma imensa taça de sorvete de chocolate? Sua boca. Aplique o mesmo raciocínio às outras refeições hipercalóricas que irão desfilar na sua frente durante o dia, repetindo o mantra "Não irei cavar minha cova com garfo e faca". Lembre-se que a Obesidade pode reduzir a expectativa de vida da pessoa em até 20 anos.

AGUENTE FIRME! Atendo crianças obesas que fazem a mesma coisa religiosamente: comem o que querem, e depois rezam para não ganhar peso. Eu sei que o mais difícil ao fazer dieta não é ver o você pode comer, e sim o que os outros estão comendo. Ajude a criança a resistir à tentação - porque ela passa, mas os malefícios da gordura ficam.

Sobre o Autor

Dr. Alessandro Loiola é médico, palestrante e escritor, autor de PARA ALÉM DA JUVENTUDE – GUIA PARA UMA MATURIDADE SAUDÁVEL (Ed. Leitura, 496 pág.) e VIDA E SAÚDE DA CRIANÇA (Ed. Natureza, 430 pág.). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Artigos.com