Causas de depressão na adolescência São Paulo, São Paulo

Nos adolescentes, a depressão em geral se manifesta de forma diversa daquela por que é comumente manifestada entre os adultos. Os adolescentes podem mostrar pouca vontade de falar a respeito dos próprios sentimentos. Saiba mais sobre este assunto abaixo.

Carlos Frederico Vergueiro
(11) 2333-9156
Av Abrahao Gonçalves Braga 412
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Valdemiro de Souza Lima Júnior
(11) 2799-3381
Celso Garcia 2294
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Wu Chi Haur
(11) 3209-0112
Praça Santo Agostinho 70 - Conjunto 11
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Haggeas Fernandes
(11) 9994-8978
Av Morumbi 627 - Quinto Andar
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Gisele Cristine Teixeira Barbosa
(11) 3081-5973
Rua Rubião Meira 42
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Terry Rocha de Medeiros
5052-1087
Avenida República do Líbano 2123
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Ricardo Manoel de Oliveira
(11) 3065-0800
Av. Brasil 1150
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Rafael Andrade Moscatiello
(11) 5532-1342
Av. dos Bandeirantes 3426 - Campo Belo
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Ana Claudia Montezino
(11) 3285-2685
R. Carlos Sampaio 304 cj.112
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Luiz Eduardo Vitagliano
(11) 3505-2012
R. Maestro Cardim 769 - Bloco 2 Audit. Interna
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Causas de depressão na adolescência

A ADOLESCÊNCIA E A DEPRESSÃO
Celebrar que uma pessoa está "deprimida" é informar muito pouco. As condições depressivas podem variar desde estados temporários de melancolia, relativamente inofensivos embora agudos, que ocorrem em resposta-a alguma perda genuína (digamos, da pessoa amada, ou de um relacionamento estável) até condições de séria perturbação psicótica que envolve tanto dano mental como emocional. Estas desordens depressivas psicóticas são raras na adolescência, embora sejam comuns os sentimentos depressivos em escala menos alarmante. Aliás, como afirmou Irene Josselyn, autoridade no tratamento de adolescentes: "Se existe algum estado emocional universal neste grupo de idade, é a depressão".

Dentre grande parte dos adolescentes, tais sentimentos são transitórios, apenas um aspecto dos altos e baixos afetivos comuns aos adolescentes. Já para outros, a depressão ou melancolia pode se tornar o estado de humor predominante; e é a essa altura que assume as proporções de verdadeiro distúrbio clinico, exigindo ajuda profissional. Sem tratamento, tal depressão pode se tornar crônica e até levar ao suicídio.

Nos adolescentes, a depressão em geral se manifesta de forma diversa daquela por que é comumente manifestada entre os adultos. Os adolescentes podem mostrar pouca vontade de falar a respeito dos próprios sentimentos e também podem exibir "equivalentes depressivos" como tédio ou agitação que confundem o quadro. A incapacidade de ficar sozinho ou a procura constante de novas atividades, uso de drogas, promiscuidade sexual, delinqüência, correr riscos desnecessários (inclusive, comumente, dirigir sem cuidado), tudo isso pode muito bem indicar uma depressão oculta embora, claro está, também possa resultar de outros problemas.

Nos adolescentes, a depressão em geral, costuma assumir uma dentre duas formas possíveis. Na primeira, o jovem pode se queixar de falta de sentimentos e de uma sensação de vazio. Esse tipo de depressão assemelha-se ao luto: "Os adolescentes desse grupo estão em luto pela perda de sua identidade infantil, e não conseguem achar uma identidade adulta em que possam se enquadrar". O problema se caracteriza menos pelo fato de os adolescentes não terem sentimentos do que pelo fato de infelizmente serem incapazes de se haver com os que têm, ou de exprimi--los.

Existe um segundo tipo de depressão no adolescente que costuma ser mais difícil de resolver. Baseia-se em experiências repetidas e bem estabelecidas de derrota ou de fracasso. Grande parte das tentativas de suicídio cometidas por adolescentes, de fato, não é resultado de impulso momentâneo, mas o fim de uma longa série de tentativas malogradas de encontrar soluções alternativas para as próprias dificuldades. A gota que faz o copo transbordar, neste tipo de depressão, é, com freqüência, a perda de um relacionamento desejado, quer com algum dos pais, quer com amigos.

Sobre o Autor

Bacharelado completo; Mestrado completo; Doutorado completo; Pós-doutorado completo. Cursos e vida profissional: FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE (ESCOLA PAULISTA), MESTRE EM PSICOPATOLOGIA (ESCOLA PAULISTA), PSICOLOGIA (SAINT MEINRAD COLLEGE) USA, PEDAGOGIA (FEC ABC), MBA (UNIVERSITY ABET) USA, CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENTORPECENTES (USP), PSICANALISTA POR MUITOS ANOS DE VÁRIOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO (35 anos), HOSPITAL BENEFICIENCIA PORTUGUESA DE SÃO CAETANO DO SUL - São Paulo-Brasil. CLÍNICA MAIA - São Paulo-Brasil, INSTITUTO DE PREVIDENCIA E ASSISTENCIA SOCIAL MUNICIPAL DE S.C.S. - São Paulo-Brasil, HOSPITAL SANTA CLARA - São Paulo-Brasil, CLINICA MÉDICA Dr.MARIO JÕAO SALVIATTO - São Paulo-Brasil, HOSPITAL DAS NAÇÕES SANTO ANDRE - São Paulo-Brasil Período de 1986 a 1991, PSICANLISTA DO SINDICATO DOS METALURGICOS DE SÃO CAETANO DO SUL - São Paulo-Brasil, PSICANALISTA DA INDUSTRIA Z. F. DO BRASIL-S.C.SUL-Brasil, PSICANALISTA DO SINDICATO DOS PROPAGANDISTAS DE PRODUTOS FARMACÉUTICOS DE SÃO PAULO-São Paulo-Brasil, MEMBRO DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA (REGIONAL SÃO PAULO), I.E. S. A. - INTERNATIONAL SOCIETY FOR ELECTROSLEEP AND ELECTROANAESTHESIA, INC.GRAZ-1978-5-17 -(AUSTRIA), I.C.A. A - INTERNATIONAL COUNCIL ON ALCOHOL AND ADDICTIONS, CRTP CONSELHO REGIONAL DE TERAPEUTAS - São Paulo-Brasil, CBP CONSELHO BRASILEIRO DE PSICANÁLISE - São Paulo-Brasil, SINPESP SINDICATO DOS PSICANALISTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, APESP ASSOCIAÇÃO DOS PSICANALISTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - São Paulo-Brasil, EX-PROFESSOR DE ESCOLAS ESTADUAIS E PARTICULARES DO ESTADO DE SÃO PAULO (BIOLOGIA, BOTANICA E ZOOLOGIA), EX-DIRETOR-ASSISTENTE DO COLEGIO ESTADUAL DE SÃO CAETANO DO SUL, LIVRE DOCENTE DE VÁRIAS FACULDADES, EX-PROFESSOR DE PSICOPATOLOGIA DA ESCOLA SUPERIOR DE PSICANÁLISE DE SÃO PAULO, EX-DIRETOR DE RELAÇÕES HUMANAS DO SABETUR, MEMBRO DE VÁRIAS SOCIEDADES INTERNACIONAIS. Publicações: O PAPEL DO PSICANALISTA CLÍNICO NO HOSPITAL; STAPHYLOCOCCUS AUREUS (ASCENSÃO E DERROCADA); CINCO LIÇÕES DE PSICANÁLISE; REEDITOR DE OBRAS COMPLETAS DE SIGMUND FREUD; A FAMILIA; A IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL; AS PSICOPATOLOGIAS HOJE, ONTEM E AMANHÃ; A AJUDA TERAPEUTICA DO ELETROSSONO NAS PSICOPATOLOGIAS; APOSTILAS DE CITOLOGIA; APOSTILAS DE BIOLOGIA; APOSTILA SOBRE GENETICA MEDICA.


Artigos.com