Benefícios da natação para deficientes visuais São Paulo, São Paulo

Conheça os benefícios que a natação traz para os deficientes visuais. A partir das experiências oferecidas durante a natação, o deficiente visual pode compreender o mundo em que está e agir propriamente nele. Não é importante apenas desfrutar das experiências e sim, saber usá-las no dia-a-dia.

Luiz Carlos Manganello de Souza
(11) 3288-7168
Itapeva 500 - 1º And.
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Luiz Passaro
(11) 3251-1288
Praca Amadeu Amaral 47 - 47
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Henrique Coccaro Siqueira
(11) 3283-2446
Av Paulista 2001 - Cj 722723
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Suzy Anne Tavares Vieira
(11) 3289-8908
Rua Peixoto Gomide 515 - Cj 151
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Mauricio Rodrigues de Souza
115-5394
Dr. Diogo de Faria 55 - Cj. 42
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dimas Andre Milcheski
(55) 5574-0624
Rua Borges Lagoa 1080 - Cj 1408
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Carlos Henrique Froner Souza Goes
(11) 3845-0050
Rua Afonso Bras 579 - Cj. 11 / 13
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Jose Roberto Araujo Lima
(11) 3846-7973
R. Barra do Peixe 18
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Marcello Di Martino
5549-7109
Rua Botucatu 591
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Fabio Ezo Aki
R Potiguar Medeiros 111
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Benefícios da natação para deficientes visuais

Prof. Dra. Maria Cecília L.M. Bonacelli[1]

Instituto Mairiporã de Ensino Superior

Resumo:

Acreditamos que a natação pode colaborar desde a melhora das capacidades físicas como também nas relações sociais entre as pessoas, quando se trabalha a percepção corporal. Sabemos que as pessoas deficientes visuais, muitas vezes são privadas das oportunidades de praticar uma atividade física, por excessos de cuidados ou mesmo pela falta de oportunidades.

Tal proposta se organiza dentro da perspectiva da corporeidade, como critério para legitimar o conhecimento sensível e a relação corpo e meio envolvente, no caso a água.

Palavras-chave: natação, corporeidade e deficiente visual.

Introdução:

A escolha do tema para este artigo, está relacionada com necessidade de produzir e compartilhar conhecimentos a respeito da importância da natação para o desenvolvimento da percepção corporal em deficientes visuais.

A aprendizagem da natação, na perspectiva da corporeidade, tem a seguinte concepção: uma aprendizagem onde os movimentos não sejam preestabelecidos, dados como prontos. A teoria da corporeidade diz respeito à humanização do sujeito, para que este venha a ser um sujeito-ativo e não um objeto-passivo da história e da cultura.

1. Pessoas cegas e com baixa visão

Segundo Castro (2005), deficiência visual é a perda parcial ou total da visão, necessitando o seu portador de recursos específicos: método braille (escrita e leitura), sorobã (conhecimento matemático), bengala e outros para a alfabetização e socialização.

A deficiência visual pode ser caracterizada em três níveis diferentes:

a) deficiência visual profunda: dificuldade para realizar tarefas visuais grosseiras. Impossibilidade de fazer tarefas que requeiram visão de detalhes.

b) deficiência visual severa: impossibilidade de realizar tarefas visuais com exatidão, requerendo adequação de tempo, ajudas e modificações.

c) deficiência visual moderada: possibilidade de realizar tarefas visuais com o uso de ajudas e iluminação adequadas similares às realizadas pelos indivíduos com visão normal.

Causas da deficiência visual:

a) congênitas: quando a criança nasce sem resíduos de visão, ou perde a visão até os 3 anos, pois até essa idade ela ainda não grava imagens e não forma conceitos. A partir dos 3 anos é adquirida. Rubéola materna, toxoplasmose materna, sífilis congênita, incompatibilidade sangüínea, hereditariedade.

b) adquiridas: acidentes, ferimentos, envenenamentos, tumores, influências pré-natais, hereditariedade. Diabetes, sífilis, rubéola, albinismo (falta de pigmentação na íris dos olhos), glaucoma (aumento da pressão ocular), catarata (perda da transparência do cristalino, tornando-o opaco), tumores.

Para Winnick (2004), alguns aspectos são ,importantes para o desenvolvimento das capacidades perceptivas e afetivas do deficiente visual, como por exemplo:

a)Conhecimento do corpo é elemento imprescindível para que o deficiente visual possa ter uma noção do mundo que o rodeia.

b)Para o deficiente visual se movimentar com habilidade e eficiência, é necessário que conheça e compreenda seu próprio corpo, a relação entre suas partes, e a relação que seu corpo tem com o espaço e seu entorno.

2. A Corporeidade do deficiente visual

Até pouco tempo, a história do corpo tinha sido diversificada pela visão dualista do homem, elevando sempre a alma em detrimento do corpo. Hoje, este conceito mudou e parece que os valores estão totalmente invertidos: eleva-se o corpo e denigre-se a alma.

O reducionismo, ainda presente atualmente, afirma que se entendermos o fenômeno das menores entidades materiais do mundo poderemos extrapolar este conhecimento a outros níveis. Resumindo: o todo é a soma das partes. Para concebermos o corpo, basta fragmentá-lo e, assim, nós o compreenderemos por inteiro.

Segundo Merleau-Ponty (1996), temos necessidade de voltarmos nosso olhar para o nosso corpo e, a partir daí, mudarmos nossa visão em relação ao mundo.

Não vemos o mundo, as coisas, apenas pelos olhos, pela visão. O espírito "sai dos olhos para ir passear pelas coisas" (MERLEAU-PONTY, 1997, p. 27). Para Merleau-Ponty (1997), precisamos experimentar as coisas, as sensações, mas não um experimentar segundo o pensamento operatório, via laboratório, mas um experimentar com o corpo, o vivenciar.

Merleau-Ponty (1996) também esclarece sua visão de esquema corporal, diferenciando do conhecimento clássico das partes do corpo, qual seja, uma visão fragmentada. Para ele, a noção de esquema corporal é uma questão de envolvimento do corpo com um movimento num determinado espaço, num certo tempo e numa determinada situação, podendo variar, se a situação igualmente variar.

Isto leva-nos a pensar na unidade do corpo, revelada pelo esquema corporal, movimento e significação, contrária à análise clássica da percepção que distingue os dados sensíveis dessa significação. Merleau-Ponty (1996) ultrapassa este conceito fazendo-nos compreender a motricidade enquanto intencionalidade do sujeito, e não como um movimento concreto e abstrato. A motricidade é, portanto, um modo de ser da corporeidade.

Diante destes pensamentos, surge a seguinte questão: De que forma a natação pode colaborar para o desenvolvimento da percepção corporal do deficiente visual?

Ao fazermos uma relação da imagem corporal aquática e o conhecimento que temos do próprio corpo, recorremos a algumas teorias: vivemos num planeta-água, somos compostos de 71% de água e vivemos durante nove meses no meio líquido.

Ao acreditarmos que o ser humano não aprende somente pela sua inteligência, mas com todo o seu corpo, com sua emoção, sua sensibilidade e imaginação, partimos do pressuposto de que a natação pode ser um fator deaprendizagem humana e significativa e, que em hipótese alguma deve ser tratada de forma reducionista, ou seja, com padrões pré-estabelecidos de ensinamentos.

3. Natação para o deficiente visual na perspectiva da corporeidade

Sabemos que a natação repercute positivamente sobre a saúde, como por exemplo, nos problemas de coluna, reeducação pós fratura, nos casos de obesidade, magreza anormal, distúrbios respiratórios, etc. Mas tal atividade pode ir além da ajuda das condições físicas, que são muitas. Acreditamos no benefício na ordem do sensível, ou seja, no contato da água com a pele, ocasionando assim o bem-estar corporal, o prazer, a satisfação pessoal.

O ponto básico da proposta teórico-metodológica para se trabalhar a natação na perspectiva da corporeidade é promover o desenvolvimento da sensibilidade e da percepção corporal, permitindo à pessoa se conhecer primeiro, tendo noção do seu próprio corpo, seus limites, suas possibilidades.

A aprendizagem da natação, baseada na corporeidade, tem a seguinte concepção: uma aprendizagem na qual os movimentos não sejam preestabelecidos, dados como prontos. A corporeidade diz respeito à humanização do sujeito, para que este venha a ser um sujeito-ativo e não um objeto-passivo da história e da cultura.

Exemplificamos tal proposta:

1. Esquema Corporal: Para Merleau-Ponty (2000), o corpo não é apenas uma coisa, mas sim, algo que se move, que percebe e que é percebido, que toca e é tocado, capaz de se relacionar com o mundo e exteriorizar sua sensibilidade. O esquema corporal é a consciência do corpo e a consciência do mundo, ou seja, uma unidade trans-espacial e trans-temporal. É a representação que a pessoa tem do próprio corpo, num certo espaço, num certo tempo. No esquema corporal estão envolvidos os elementos:

2. Estrutura Espacial: Para Merleau-Ponty (2000) o espaço é a maneira como somos afetados, um dado bruto da nossa constituição humana, ele é relativo ao nosso corpo. Não é finito e nem infinito. É a consciência do nosso corpo em um ambiente, em um certo lugar e a orientação que podemos ter em relação às pessoas e as coisas. Dessa forma, podemos trabalhar com:

3. Orientação Temporal: Para Merleau-Ponty (2000) o tempo não pode ser representado como um conceito. Nossa proposta, não é aprisionar a experiência corporal na exatidão do relógio, mas por outro lado, não podemos negar sua existência. Podemos desenvolver as várias formas de percepção do tempo, por meio do contato do corpo com a água, pois sabemos que no meio líquido os movimentos tornam-se mais lentos, devido à resistência da mesma.

Tanto na fase de aprendizagem, como nas fases de aperfeiçoamento e treinamento em natação, o que se observa é a repetição dos movimentos. A proposta desta prática é despertar nos alunos a atenção para o conhecimento do próprio corpo, como fator principal para tal prática, e não a técnica dos movimentos como condição primária para o aprendizado.

Conclusão:

Acreditamos que a natação, aliada ao contexto da complexidade e contrária a teoria mecanicista, pode proporcionar condições de um aprendizado completo, educativo, quando se trabalha o movimento como um todo: o sensorial, o motor, a percepção corporal e o auto-conhecimento, numa inter-relação dinâmica com o ambiente.

A partir das experiências oferecidas durante a natação, o deficiente visual pode compreender o mundo em que está e agir propriamente nele. Não é importante apenas desfrutar das experiências e sim, saber usá-las no dia-a-dia, como por exemplo, a autopercepção, o autoconhecimento corporal e os limites do corpo, e, através dos desafios que são proporcionados, saber transportá-los, acelerando o despertar dos sentidos, desencadeando aquisições mais precoces, proporcionando um desenvolvimento psicomotor com criatividade e prazer.

Referencial Bibliográfico:

ASSMANN, H. Paradigmas Educacionais e Corporeidade. Piracicaba, Ed. Unimep, 2ªed., 1994.

AZEVEDO, F de. Obras completas da Educação Física. São Paulo: Melhoramentos, 1960.

BONACELLI, M.C.L.M. A natação no deslizar aquático da corporeidade. Tese (doutorado) –Unicamp. Campinas, S.P., 2004.

BONACELLI, M.C.L.M. Por uma epistemologia do planeta água: navegar (nadar) é preciso. Dissertação de Mestrado – Unimep. Piracicaba, S.P., 1997.

CASTRO, E. M. de Atividade física adaptada. Ribeirão Preto, São Paulo: Tecmedd, 2005.

MERLEAU-PONTY. M. A natureza. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MERLEAU-PONTY. M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MERLEAU-PONTY.O olho e o espírito. Lisboa: Editions Gallimard Vega, 1997.

WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri, São Paulo: Manole, 2004.

Maria Cecília L.M. Bonacelli - Brasil

E-m: ceciliab@terra.com.br

Telefone: (19) -34217353

Currículo resumido:

Maria Cecília L.M. Bonacelli

Graduada em Educação Física – Unimep – 1988

Especialista em Educação física Escolar – Unicamp – 1990

Especialista em Ciências do Esporte – Unicamp – 1993

Mestre em Educação – Unimep – 1997

Doutora em Educação Física – Unicamp – 2004

Professora Nível Superior: disciplinas: natação, Educação Física Adaptada, Sociologia da Educação Física, Didática da Educação Física, Educação Física Escolar.

Professora da Rede estadual de Ensino - Piracicaba

[1] Maria Cecília L.M.Bonacelli. Doutora em Educação Física pela Unicamp. Professora do Instituto Mairiporã de Ensino Superior.

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com