Aspirina reduz infartos, mas traz risco de hemorragia São Paulo, São Paulo

Conheça os fatores de risco para cardiopatias. O cardiologista Otávio Gebara comenta sobre o uso da aspirina por pacientes que sofrem de doenças cardiovasculares. Confira também, os sintomas do infarto.

Ricardo Capersmidt
(11) 000
Rua Saguairu 665 - Casa Verde
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Renato Igino dos Santos
(11) 3862-9609
Cotoxó 875 - Casa
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Thiago Gibello Gatti Magalhaes
(11) 3662-1094
Av. Angelica 916 - Conj 303 3º And
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Suely Goldflus
(11) 3663-6744
Rua Emílio de Menezes 76 - Conj 41
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Mauro Semer
(11) 3285-3450
Av Paulista 807 - 921
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Sergio Tadeu Camargo Freitas
(11) 3069-6335
Rua Eneas C de Aguiar 000
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Ronaldo Pereira Guimaraes
(11) 2557-5200
Otelo Augusto Ribeiro 844
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Silvia Regina Julian
(11) 2978-7358
Av. Nova Cantareira 291 - 76
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Nédia Maria Hallage
(11) 3872-7520
Jaricunas 158
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Suely Steinschreiber Roizenblatt
(11) 3826-4720
Av. Angelica 1996 - Conjunto 101
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aspirina reduz infartos, mas traz risco de hemorragia

Fornecido por:

O uso da aspirina por pessoas que não apresentam histórico de doenças cardiovasculares, mas se enquadram em um grupo de risco, reduz o índice de infartos e derrames em aproximadamente 12%. Mas o medicamento pode aumentar o risco de hemorragia interna em cerca de 1/3 desta mesma população.

Segundo um estudo, que acompanhou 95 mil pessoas e acaba de ser publicado no jornal científico The Lancet, a ocorrência de sangramento é um dos efeitos colaterais da aspirina e, por isso, o efeito preventivo dela deve ser visto com cautela.

"Por mais que a prática seja interessante, principalmente para quem já sofreu infarto, ataque cardíaco ou é diabético, vale investigar se o paciente não tem alergia ao ácido acetilsalicílico, de que é composta a aspirina", enfatiza o cardiologista Otávio Gebara, diretor clínico do Hospital Santa Paula, em São Paulo.

Conheça os fatores de risco para cardiopatias
1. Pessoas da raça negra;
2. Diabéticos
3....

Clique aqui para ler este artigo na Minha Vida