Aprendendo que jantar ajuda a manter ou perder peso São Paulo, São Paulo

Um equívoco comum das pessoas que estão fazendo uma dieta para emagrecer é a decisão de abolir o jantar. Muitas vezes, alegam que não entendem o porquê não emagrecem, uma vez que não jantam há muito tempo. A refeição noturna idealmente deve conter cerca de 25% do valor calórico ingerido no dia, o que significa em torno de 400 calorias para um adulto.

Milton E.F.L. Rocha
(11) 3082-8840
Rua Teodoro Sampaio 352 (Cj.32) Pinheiros
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Fabio Ezo Aki
R Potiguar Medeiros 111
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Luciana Leonel Pepino
(11) 3285-6412
Rua Itapeva 202 - Conj. 126 À 129
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dimas Andre Milcheski
(55) 5574-0624
Rua Borges Lagoa 1080 - Cj 1408
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Silvio Frizzo Ognibene
55 11 30854784
AV. REBOUÇAS353 CJ. 61/62
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Mauricio Rodrigues de Souza
115-5394
Dr. Diogo de Faria 55 - Cj. 42
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Luiz Passaro
(11) 3251-1288
Praca Amadeu Amaral 47 - 47
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Garabet Karabachian Neto
(11) 3885-1534
Alameda Joaquim Eugenio de Lima 1387
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Sidney Zanasi Junior
(11) 2221-0408
Av. Gen. Ataliba Leonel 93
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Roberto Stefanelli
(11) 2295-6244
Cantagalo 692 - Cj. 1012
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprendendo que jantar ajuda a manter ou perder peso

Publicidade Um equívoco comum das pessoas que estão fazendo uma dieta para emagrecer é a decisão de abolir o jantar. Muitas vezes, alegam que não entendem o porquê não emagrecem, uma vez que não jantam há muito tempo. Dizem isso como se fosse uma medida altamente eficaz para perder peso e uma vantagem em relação aos que fazem essa refeição. Alegam que queimam menos calorias à noite e por isso devem se abster de se alimentar após as 18 horas. "Enganam-se completamente...", alerta a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.

Vamos aos fatos! A prática clínica tem nos apontado que a maioria das pessoas que procura cuidados médicos e nutricionais para tratamento da obesidade é composta por pacientes que apresentam um consumo alimentar noturno inadequado, muitas vezes, após um dia inteiro de refeições bem equilibradas e em quantidades adequadas. "Comem melhor na rua e no trabalho e perdem todo o bom senso e o controle assim que chegam em casa", diz a médica.

Esse descontrole não pode ser encarado como fraqueza ou simples desorganização dos hábitos alimentares, pois podemos estar frente a uma das doenças da vida moderna: a Síndrome do Comer Compulsivo Noturno. "Esse distúrbio do comportamento alimentar é caracterizado pelo hábito de comer compulsivamente à noite, incluindo aí qualquer tipo de alimento, em grande quantidade. Muitas vezes, há comprometimento do sono noturno e o aparecimento de outros problemas de saúde, como a obesidade", explica Ellen Paiva, que também é nutróloga.

Descartada a possibilidade da presença de um distúrbio alimentar, nos resta 'os beliscadores'. "Como não há um planejamento para o jantar em suas casas, essas pessoas chegam do trabalho e passam a comer pequenas quantidades de alimentos, repetitivamente. Não têm apetite para uma refeição completa, mas também não têm a saciedade para evitar os múltiplos beliscos", explica Ellen Paiva. Assim, seguem comendo diante da TV, do computador, lendo ou conversando, e nem imaginam o volume que conseguem ingerir, além da quantidade calórica muito superior ao jantar.

O que devemos comer à noite?

Como controlar o consumo alimentar noturno é uma difícil tarefa para a maioria das pessoas, algumas delas simplesmente deixam de comer à noite. Alegam que não queimam calorias nesse período e que o alimento ingerido é mais 'engordativo', principalmente se for carboidrato. "Enganam-se novamente. Não temos uma menor queima calórica durante à noite e o carboidrato não é o vilão da história. A refeição noturna idealmente deve conter cerca de 25% do valor calórico ingerido no dia, o que significa em torno de 400 calorias para um adulto. O carboidrato, como na demais refeições, deve compor 50% desse valor, ou seja, 200 calorias", informa a endocrinologista.

_______________________________________________

O hábito de jantar traz vários benefícios à saúde:

-Trata-se de uma refeição bem definida;

-A sensação de saciedade é mais fácil de ser obtida;

-Evita o comportamento 'beliscador';

-Geralmente propicia a alimentação à mesa, com a família;

-Pode ser garantia para melhor qualidade do sono;

-É um caminho para atingir as recomendações nutricionais impossíveis de serem alcançadas beliscando ou só lanchando, à noite.
_______________________________________________

Como podemos driblar a falta de tempo e a pouca habilidade no preparo das refeições? Como modificar os hábitos de praticidade e reduzir as solicitações noturnas dos fast foods? "Para isso precisamos ter consciência dos benefícios à saúde da família que podem ser alcançados com o jantar. Especialmente os de formação de hábitos alimentares das crianças, que terão chances de fazer escolhas mais sensatas ao longo de suas vidas", afirma a médica.

"Podemos começar a aprender a preparar alimentos simples e saborosos e cada receita aprendida deve ser compartilhada com toda a família", sugere a nutróloga. Além disso, quando cozinhamos, temos a oportunidade de preparar o alimento que gostamos de forma menos calórica. "Podemos trocar o leite integral pelo desnatado; a maionese, o creme de leite e a margarina pelas versões lights ou por molhos de iogurte ou queijo cottage. Grelhamos, ao invés de fritar ou empanar; trocamos o bacon pelo alho e reduzimos os óleos vegetais no preparo dos alimentos", exemplifica a especialista.

Mesmo em meio a tantas adversidades do dia-a-dia, é possível encontrar espaço nas agendas lotadas de compromissos profissionais para jantar. Veja algumas sugestões da equipe de Endocrinologia e Nutrição do Citen:

(1) O cardápio da semana pode ser preparado no sábado, o que gera uma lista de supermercado semanal, que possibilita a compra apenas dos itens necessários para aquela semana. É pratico, evita o desperdício ou a opção incorreta de lanches muito calóricos ou repetitivos por pura falta de planejamento;

(2) Uma pequena lousa na cozinha permite a definição do cardápio que deverá estar ao alcance de todos, mesmo que cheguem em casa em horários diferentes;

(3) Comece sempre pela proteína que o restante do cardápio virá facilmente à cabeça. Por exemplo: sobre-coxa de frango assada; salmão grelhado; lagarto cozido ou assado na forma de carne louca com cebola e pimentão; pescada branca assada no bafo em papel alumínio, atum em água e sal e até o ovo mexido ou em omeletes;

(4) Associe à proteína um carboidrato, que pode ser arroz, batata (assada, cozida ou em purês) milho, diversas formas de pão, mandioca ou mandioquinha e macarrão;

(5) Estabeleça uma salada para a semana, principalmente com itens que garantem a possibilidade de maior validade ou duração como grão de bico ou feijão cozidos ao dente, berinjela assada, tomate cereja, abobrinha levemente aferventada, cenoura pouco cozida ou crua ralada, ervilha fresca e milho cozido. Lave um tipo de folha como alface ou rúcula, seque bem e guarde separadamente na geladeira para ser adicionada à salada na hora da refeição;

(6) Escolha uma fruta da estação em estágios diferentes de amadurecimento para que possa ser utilizada como sobremesa durante toda a semana em vários tipos de preparações. Por exemplo, o abacaxi em fatias geladas com raspas de hortelã ou de limão, cozido em calda com adoçante de forno e fogão, cozido em pedacinhos e incorporando gelatinas de abacaxi e assados com canela;

(7) Eventualmente, podemos preparar um lanche com pão e rosbife de lagarto ou patê de atum com ricota ou maionese light ou até um filé de frango ou bovino grelhados. Mesmo com lanches, uma saladinha é sempre um ótimo acompanhante. Nada impede o preparo de um lanche semanal no jantar como cachorro quente ou pão com hambúrguer, para agradar os pequeninos;

(8) Sempre que for preparar um tipo de alimento, faça-o em quantidade dobrada quando puder ser congelado, para ser utilizado numa outra ocasião. Isso facilita a vida e otimiza o pouco tempo que temos para cozinhar;

(9) Permita que as crianças participem da escolha e da elaboração do cardápio para que entendam a importância de cada alimento e sejam atendidas em suas solicitações.

Serviço:
O CITEN - Centro Integrado de Terapia Nutricional - é uma clínica voltada à terapia nutricional de doenças crônicas em nível ambulatorial. Está apta a atender adultos e crianças, pois conta com equipe multidisciplinar altamente qualificada composta por médicos, nutricionistas, psicólogos e psicanalistas, devidamente credenciados junto às sociedades e instituições de classe nacionais e internacionais.
Endereço: Rua Vergueiro, 2564.
Conjuntos 63 e 64
Vila Mariana
São Paulo-SP
CEP: 04102-000
Atendimento: De segunda a sexta.
Horário: 08h30min às 18h30min horas.
Telefone: (11) 5579 1561/5904 3273.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Ellen Simone Paiva, médica endocrinologista, nutróloga e diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição