Aprendendo como alimentar as crianças de forma saudável São Paulo, São Paulo

A Alimentação saudável começa no berço. Aprenda como ensinar os filhos desde crianças a se alimentar saudável. Uma sugestão é tentar oferecer várias vezes os alimentos, em ocasiões e formas diferentes. "Se depois da oitava tentativa com o mesmo alimento a criança rejeitar, é porque ela realmente não gostou", argumenta.

Antonio Luiz Passaro
(11) 3251-1288
Praca Amadeu Amaral 47 - 47
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Moris Anger
Rua Ministro Godoy 445
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Joao Tenorio Lins Filho
(11) 3666-7170
Avenida Pacaembu 746 - Proximo Metro Marechal
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Mauricio Rodrigues de Souza
115-5394
Dr. Diogo de Faria 55 - Cj. 42
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Silvio Frizzo Ognibene
55 11 30854784
AV. REBOUÇAS353 CJ. 61/62
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Sidney Zanasi Junior
(11) 2221-0408
Av. Gen. Ataliba Leonel 93
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Suzy Anne Tavares Vieira
(11) 3289-8908
Rua Peixoto Gomide 515 - Cj 151
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Fabio Ezo Aki
R Potiguar Medeiros 111
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Milton E.F.L. Rocha
(11) 3082-8840
Rua Teodoro Sampaio 352 (Cj.32) Pinheiros
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Luiz Carlos Manganello de Souza
(11) 3288-7168
Itapeva 500 - 1º And.
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprendendo como alimentar as crianças de forma saudável

Publicidade "Sistema Único de Saúde oferece orientação para os pais de crianças menores de dois anos. Eles podem recorrer ao serviço e saber qual tipo de alimento é correto nessa idade"

O leite materno é o único alimento que a criança deve consumir nos seis primeiros meses de vida? Quando os pais podem começar a oferecer aos bebês frutas, legumes, carnes e outros alimentos? E o que fazer quanto a balas, doces e outras guloseimas? Essas comidas prejudicam o desenvolvimento da criança? Para tirar essas e outras dúvidas, o Ministério da Saúde coloca à disposição em seu site o manual 10 Passos da Alimentação Saudável para Crianças Menores de 2 anos e o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, uma referência para pais e profissionais que lidam com o tema. Um dos objetivos do programa Brasil Saudável, desenvolvido pelo ministério, é a promoção de uma alimentação balanceada para todas as faixas etárias.

De acordo com a nutricionista e assessora da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Maria de Fátima Carvalho, sem orientação as famílias introduzem outros alimentos muito cedo, deixando de lado o leite materno. A atitude pode comprometer a saúde da criança e gerar desnutrição e deficiência de minerais e vitaminas nos primeiros anos de vida. "Os manuais preenchem essa lacuna. Servem de consulta para profissionais de saúde indicarem qual a alimentação mais adequada na fase de transição entre o aleitamento materno e a alimentação familiar", afirma.

O período dos seis meses aos dois anos de idade é essencialmente marcado pelo crescimento acelerado, ganho de peso e estatura. Associado a esse crescimento, a criança começa a dar os primeiros passos, balbuciar palavras e ter impressões sobre o mundo. "É inquestionável a importância da alimentação nessa fase. Condutas erradas podem causar prejuízos imediatos à saúde, como a desnutrição e até a mortalidade infantil", alerta a diretora do Departamento de Nutrição da Organização Mundial da Saúde (OMS), Denise Coitinho. A nutricionista Maria de Fátima Carvalho alerta também para o comprometimento da imunidade da criança e distúrbios como diarréias e doenças respiratórias.

Os problemas da alimentação nessa etapa da vida trazem, ainda, outras conseqüências. Dificuldade no aprendizado, obesidade e hipertensão são alguns agravos que, segundo os especialistas, podem estar associados à má nutrição ou à desnutrição na fase intra-uterina e na primeira infância. Dados do Ministério da Saúde mostram que, no Brasil, cerca de 97% das crianças começam a vida alimentando-se com leite materno. Mas a conduta que deveria ser mantida pelos pais até os dois anos de idade acaba cedo demais.
Frutas e papinhas - Pensando nisso, o livreto, com pouco mais de 40 páginas, vem acompanhado de receitas e dicas para pais preocupados com a alimentação infantil. O primeiro passo traz indicações claras para manter o leite materno como alimento exclusivo até os seis meses de idade. "O leite é o único alimento indicado para essa faixa etária", diz a assessora do Ministério da Saúde. Com a quantidade certa de gorduras, vitaminas, proteínas e carboidratos, o leite mantém o bebê nutrido e bem alimentado. A oferta de água e chás também é dispensada nessa fase. "O leite materno contém tudo de que o bebê necessita até o sexto mês de vida, inclusive água", diz Maria de Fátima.

Segundo os médicos, o bebê amamentado conforme o recomendado terá menos chance de desenvolver doenças como diabetes, hipertensão e problemas cardiovasculares. O guia mostra também posições adequadas para amamentar e como a mãe pode saber se o bebê está sugando o leite de forma correta.

O passo seguinte é um dos mais relevantes. Envolve o período de introdução de novos alimentos, que deve ser feito em conjunto com o leite materno. "Nessa fase, as necessidades nutricionais da criança não são mais atendidas somente com leite materno. Ela já está com maturidade fisiológica para receber outros tipos de alimentos", explica a pediatra Ana Goretti Maranhão.

O bebê Paulo Paiva passa pela fase de transição alimentar. Com sete meses, ele começa a conhecer o sabor adocicado de frutas como banana, maçã, pêssego e ameixa. "O Paulo adora comer frutinhas amassadas com a colher. Damos nos intervalos entre a sopa, que geralmente acontece três vezes ao dia", conta a mãe do bebê, a psicóloga Ana Reis.

A terceira recomendação do guia ensina os pais a darem frutas e papas, além de purês feitos com cereais, feijões, legumes ou tubérculos, três vezes ao dia, se a criança ainda receber leite materno. Cinco vezes, nos casos de bebês que não são mais amamentados.

Já na primeira colherada, Paulo abre um sorriso. "Às vezes temos que chamar a atenção dele com algum brinquedinho, mas, em geral, ele come bem, sem precisar ficar brincando", conta a madrinha da criança, Maria Inês da Costa, responsável pela alimentação do bebê enquanto a mãe trabalha.

Sem guloseimas - A situação do pequeno Paulo não pode ser comparada com a rotina alimentar da maioria das crianças brasileiras. "Muitos pais ainda enfrentam problemas para inserir frutas, legumes e verduras na alimentação da criança, achando que ela se recusa a ingerir alguns alimentos", afirma Maria de Fátima Carvalho. Segundo a nutricionista, os pais devem insistir, pois até os dois anos de idade a criança não tem parâmetro para saber do que gosta ou não. "Ela está aprendendo o sabor dos alimentos. Quando faz cara feia ou cospe a papinha é porque ainda não está acostumada à deglutição", ressalta.

Uma sugestão é tentar oferecer várias vezes os alimentos, em ocasiões e formas diferentes. "Se depois da oitava tentativa com o mesmo alimento a criança rejeitar, é porque ela realmente não gostou", argumenta. E para a nutricionista, "castigo, nem pensar". O melhor é insistir. Só assim o bebê cresce saudável e com o paladar diversificado.

O Ministério da Saúde adverte também os pais sobre os riscos de dar algumas guloseimas às crianças. O sabor adocicado é facilmente aceito pelo bebê, que vai preferir refrigerante no lugar do suco e alimentos doces a comidas com outros sabores. "Recomendamos que, nessa fase, os pais ofereçam somente alimentos naturais, como frutas e sucos, e evitem refrigerantes, chocolates, balas, biscoitos e similares", afirma a nutricionista. Produtos como esses contribuem para problemas de saúde que vão do surgimento de cáries à obesidade infantil.

Como buscar orientação

Os pais que precisam esclarecer dúvidas sobre a alimentação das crianças têm a opção de recorrer a uma unidade da rede básica de saúde. O serviço é gratuito e os profissionais podem ajudá-los com orientações importantes para essa fase da vida da criança. "O Ministério da Saúde produziu essa cartilha para apoiar os profissionais de saúde no atendimento à população", explica a assessora da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Maria de Fátima Carvalho.

Foram distribuídas 200 mil cartilhas em centros, postos de saúde, creches, escolas e faculdades credenciadas pelo Ministério da Educação. Os interessados podem também consultar o livreto pelo site do ministério. O endereço é: www.saude.gov.br /alimentação ou tirar dúvidas pelo disque-saúde. O telefone é: 0800-61 1997.

Fonte: Ministério da Saúde

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição