Aprendendo a evitar a obesidade infantil São Paulo, São Paulo

Aprenda abaixo como toda a família deve entrar no rítmo quando o assunto é a obesidade infantil. O problema é que, muitas vezes, a mãe e a criança fazem a dieta e o pai traz a pizza à noite porque diz que não está de regime. No entanto, se a família toda não se reeducar, não existe mágica.

Silvio Frizzo Ognibene
55 11 30854784
AV. REBOUÇAS353 CJ. 61/62
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Marcello Di Martino
5549-7109
Rua Botucatu 591
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Jose Roberto Araujo Lima
(11) 3846-7973
R. Barra do Peixe 18
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Luiz Passaro
(11) 3251-1288
Praca Amadeu Amaral 47 - 47
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Fabio Ezo Aki
R Potiguar Medeiros 111
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Garabet Karabachian Neto
(11) 3885-1534
Alameda Joaquim Eugenio de Lima 1387
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Mauricio Rodrigues de Souza
115-5394
Dr. Diogo de Faria 55 - Cj. 42
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Carlos Henrique Froner Souza Goes
(11) 3845-0050
Rua Afonso Bras 579 - Cj. 11 / 13
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Suzy Anne Tavares Vieira
(11) 3289-8908
Rua Peixoto Gomide 515 - Cj 151
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Julio Cezar Viola
Rua Capitao MOR ROQUE BARRETO - 47
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprendendo a evitar a obesidade infantil

Publicidade O cenário ideal pede crianças e adolescentes acostumados a ficar em casa em frente ao computador, videogame e que prefiram uma alimentação à base de fast food e muitas guloseimas como bolachas, chocolates e refrigerantes. Tudo isso associado a pouca atividade física leva a um aumento de peso e, conseqüentemente, a obesidade.

No Brasil, no entanto, a doença tem avançado ao longo dos anos. 15 a 20% dos pacientes obesos são crianças e adolescentes, na faixa dos 9 aos 18 anos. Então, fica a questão. Por que, apesar da doença ser uma preocupação mundial e haver esforços para diminuir sua incidência, os índices aumentam em nosso país?

Apesar de difícil é preciso encarar a realidade que apresenta alguns problemas, cuja gravidade é demonstrada na seguinte ordem, todas de extrema preocupação. Em primeiro lugar, existe uma questão cultural no país porque há muitas famílias que, principalmente na infância, acham o "gordinho" bonito.

Depois, a ausência dos familiares por excesso de trabalho, faz com que a criança fique muito tempo sozinha, ou seja, criada pela babá ou por algum parente próximo, e o sentimento de culpa por parte dos pais leva a conquista do carinho com base em presentes com chocolate na hora errada e guloseimas.

Hoje, o ritmo de vida dos pais, repleto de stress, repercute na família. Uma criança ou adolescente que vive num ambiente extremamente agitado, irritado, acaba ansioso e come por ansiedade. O excesso de atividades sem equilíbrio da carga horária também causa stress. O que falta é equilíbrio.

Ou as crianças, além de ir para a escola, vão para o inglês, natação, judô, ballet, kumon. São expostas a um ambiente de muita pressão, cobrança por resultados e a ansiedade que leva à obesidade. Ou vivem num ambiente com excesso de TV, videogame e uma alimentação com guloseimas, por impulso, que leva à obesidade.

Por fim, há muita dificuldade para as famílias encontrarem ajuda no serviço público. Isso ocorre porque não há especialistas nos postos de saúde e apenas alguns hospitais são referências na área.

No conjunto, ter um problema cultural no país e mais a dificuldade em encontrar o tratamento adequado no serviço de saúde pública resulta, muitas vezes, nas seguintes situações: ou o paciente abandona o tratamento, ou ele e sua família retardam em buscar ajuda.

No geral, a realidade é dura. A cada 250 pacientes em média, apenas 33% acompanha e chega a atingir a meta. O restante abandona o tratamento ou o paciente ganha peso e acaba desistindo. As conseqüências nesses casos vão além do desenvolvimento da diabetes, pressão alta e aumento do colesterol. Pode haver acúmulo de gordura no fígado que leva a uma alteração das enzimas hepáticas.

O mais grave, entretanto, é quando ocorre uma alteração cardíaca, pois o excesso de trabalho pode deixar o coração inchado e levar a uma hipertrofia do ventrículo esquerdo que tem a função de bombear o sangue para o corpo. Uma situação irreversível.

A obesidade deve ser encarada como uma doença, necessita de tratamento e envolve toda a família do paciente porque nada mais é do que uma repercussão dos hábitos alimentares. O problema é que, muitas vezes, a mãe e a criança fazem a dieta e o pai traz a pizza à noite porque diz que não está de regime. No entanto, se a família toda não se reeducar, não existe mágica.

∗Dra. Lidiane Perlamagna é pediatra, especialista em Endocrinologia pediátrica do Hospital das Clínicas e membro da equipe de pediatria do Hospital San Paolo.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: ∗Dra. Lidiane Perlamagna

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição