Analisando os problemas da apnéia do sono São Paulo, São Paulo

Compreenda como a apnéia do sono interfere na saúde do paciente. Entenda as causas desse problema. Conheça também, as formas de tratamento.

Ulysses Guerra Luz Junior
(11) 3812-6611
R Simao Alvares 671
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Shirley de Campos
(11) 5052-5227
Av Gabriel de Rezende Passos 472
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Silvia Regina Julian
(11) 2978-7358
Av. Nova Cantareira 291 - 76
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Mirela Akagawa Yunes
(11) 2574-2716
Rua Dr Alceu de Campos Rodrigues 247 - Cj. 114
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Thiago Gibello Gatti Magalhaes
(11) 3662-1094
Av. Angelica 916 - Conj 303 3º And
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Ronaldo Pereira Guimaraes
(11) 2557-5200
Otelo Augusto Ribeiro 844
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Suely Steinschreiber Roizenblatt
(11) 3826-4720
Av. Angelica 1996 - Conjunto 101
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Maykyol Avaroma Melgar
(11) 2029-7222
Rua Terenas 161
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Ricardo Santos Coelho
(11) 2114-6171
Rua Mato Grosso 306 - Cj 816
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Teresa Cristina Yamanaka Pereira
(11) 3045-1978
Al Vicente Pinzon 144 - Cjto 53
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando os problemas da apnéia do sono

Fornecido por:

Estudos recentes apontam que cerca de 40% dos indivíduos hipertensos sofrem também de apnéia obstrutiva do sono, alertando para uma relação entre as doenças. A apnéia atinge aproximadamente sete em cada 100 pessoas e a incidência é maior no sexo masculino. Dados sobre o mal mostram que 24% dos homens de meia-idade e 9% das mulheres são afetados pela apnéia.

A doença caracteriza-se pelo ronco que segue em um mesmo ritmo, vai ficando mais alto e, de repente, é interrompido por um período de silêncio. Neste momento, a pessoa fica totalmente sem respiração, mas, logo o ronco volta ao ritmo inicial.

Na prática, ao relaxar durante o sono, a faringe torna estreita a passagem de ar, provocando as vibrações típicas do ronco, até se fechar completamente e interromper o fluxo respiratório temporariamente. Numa reação de defesa, o organismo libera adrenalina, que contrai os vasos e restringe o espaço por onde o sangue circula. O aumento da p...

Clique aqui para ler este artigo na Minha Vida