A influência dos hábitos orais no desenvolvimento da criança São Paulo, São Paulo

O desequilíbrio muscular gerado por fatores como uso excessivo e sucção de chupeta,mamadeira e dedo pode levar a problemas na posição dos dentes ou na oclusão das arcadas dentárias e a dificuldades na produção dos sons da fala da criança.

Clarissa Peric de Freitas
(11) 5084-7432
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Endrigo Emanuel Giordani
(11) 8635-3195
Dr. Altino Arantes 870
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Luiz Eduardo Vitagliano
(11) 3505-2012
R. Maestro Cardim 769 - Bloco 2 Audit. Interna
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Mauro Fisberg
(11) 5575-3875
Rua Borges Lagoa 1080 - 603
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Thomaz Rafael Gollop
(11) 5093-0809
R. Félix de Sousa 321
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Carlos Eugenio Ventura Lopes
(11) 3707-1188
Rua Joaquim Floriano 72 - 15 Andar
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Rita Kaarkoski
36751211
Rua Cardoso de Almeida 1991
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Ricardo Manoel de Oliveira
(11) 3065-0800
Av. Brasil 1150
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Fernando Luiz Morales Novaes
(11) 2063-7769
Avenida Nazare 1619/1621. Ipiranga
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
George Stojkow
(11) 5096-0140
Rua Casa do Ator 764
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A influência dos hábitos orais no desenvolvimento da criança

É bastante comum em crianças a presença de hábitos ligados à região da boca, tais como sucção de chupeta, mamadeira, dedo, roer unhas ou colocar objetos.

Em geral esses comportamentos são tolerados ou até incentivados pelos adultos, que os utilizam como forma de acalmar ou entreter a criança, sem muitas vezes se darem conta do que eles significam no desenvolvimento infantil.

É sabido que, no início da vida, a criança tem uma necessidade de sucção, que geralmente é suprida através da alimentação, isto quando a criança é amamentada ou utiliza bicos de mamadeira ortodônticos, com furos apropriados, que estimulam os movimentos musculares da língua, dos lábios e das bochechas e visam aproximar esta movimentação àquela que ocorre quando a criança suga o seio; contudo, mesmo esse tipo de bico deve ser substituído pelo copo tão logo a criança seja capaz de utilizá-lo.

Existem casos, entretanto, em que a criança habitua-se a ter na boca os objetos já citados, e, no caso específico da chupeta, muitas vezes fica somente com ela apoiada sobre a língua, sem sugá-la, o que pode alterar todo o equilíbrio muscular da face, na medida em que deixa a boca freqüentemente aberta e a língua geralmente solta no assoalho da boca. Nesses casos, ocorre também alteração no tônus muscular das bochechas e no padrão respiratório , já que a criança passa a respirar pela boca, ao invés de utilizar o nariz, o que pode afetar inclusive sua saúde, tornando-a mais suscetível a diversos problemas, dentre eles os pulmonares. O contrário também pode ocorrer, isto é, crianças com problemas respiratórios, tais como rinites, podem desenvolver um padrão de respiração bucal, devido à freqüente obstrução nasal.

O desequilíbrio muscular gerado por esses fatores pode levar a problemas na posição dos dentes ou na oclusão das arcadas dentárias e a dificuldades na produção dos sons da fala. Existe também a possibilidade de a criança apresentar alterações na forma de mastigar e engolir os alimentos, o que pode levar a problemas gastrointestinais, inclusive.

Abordando a fala, sabemos que, para pronunciar os sons, utilizamos muitos dos órgãos usados na alimentação, tais como lábios, língua, dentes, bochechas. Essas estruturas são preparadas, desde os primeiros dias de vida, para a articulação dos fonemas, através da alimentação e do trabalho muscular realizado através dela. Sendo assim, uma criança que tenha tido um padrão de alimentação adequado, sem "maus hábitos orais" e livre de problemas físicos, mentais, emocionais ou ambientais, tende a ter um bom desenvolvimento da fala.

Contudo, uma criança com alterações nesses aspectos pode desenvolver formas de mastigação alteradas, tais como: mastigar pouco, mastigar de um lado só, amolecer o alimento com a língua em vez de utilizar os dentes para triturá-lo, etc. Assim sendo, os músculos faciais e a musculatura da língua não são exercitados adequadamente e podem não corresponder ao trabalho solicitado na pronúncia da fala.

Muitas vezes, a criança também engole os alimentos e a saliva com posicionamento inadequado da língua, exercendo pressão sobre os dentes, hábito que geralmente não é percebido ou é encarado como passageiro, mas que pode alterar a musculatura e ocasionar, dentre outras alterações, dificuldades na pronúncia da fala, principalmente dos sons que requerem movimentação da ponta da língua, tais como "t", "d", "n", "r" ( da palavra "cara" ou da palavra "trem"), "l", "s" e "z".

É possível também que a criança tenha problemas físicos, hereditários, de nascença ou adquiridos durante seu desenvolvimento, que impeçam inclusive a alimentação normal, ou o desenvolvimento da fala. Podem ocorrer também problemas emocionais que façam com que ela mantenha um padrão infantilizado e necessite utilizar objetos buscando uma satisfação oral, ou ainda que viva em um ambiente que estimule sua manutenção mais infantil, estimulando o uso desses objetos.

Perceber essas alterações, buscar suas causas, prevenir ou sanar seus efeitos é importante para o desenvolvimento da criança, pois essas dificuldades, se não trabalhadas, podem acompanhar a pessoa por toda a vida, sendo comuns alterações de fala em adultos, decorrentes de hábitos orais utilizados na infância e que afetam sua relações pessoais e profissionais, já que um bom padrão de fala é algo bastante valorizado, sendo inclusive fator de exclusão do mercado de trabalho em algumas profissões.

Tânia Bello

Psicopedagoga

Fonoaudióloga

CRFa. 2542/SP

Especialista em Linguagem

CFFa. 2440/04

taniabello@uol.com.br

Sobre o Autor
Consultora, Assessora e Instrutora de Treinamento nas áreas de Comunicação e Aprendizagem.

Fonoaudióloga e Psicopedagoga com Extensão Pós-Universitária em Psicomotricidade.

Especialista em Linguagem pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia.

Atuação profissional de 24 anos nas áreas de comunicação e aprendizagem em consultório e instituições.

Realização de palestras e cursos e treinamentos em instituições de diversos segmentos.

Entrevistas concedidas à Radio Cultura de Aracaju e TV Futura em São Paulo.

Artigos publicados em revistas e sites.

Artigos.com